segunda-feira, 22 de junho de 2015

Datafolha: Aécio lidera pesquisa que simula corrida presidencial

Pesquisa Datafolha divulgada neste domingo (21) pelo jornal “Folha de S.Paulo” mostrou os percentuais de intenção de voto em duas simulações da corrida presidencial, caso as eleições fossem hoje. O novo embate só ocorrerá em 2018.

No Cenário 1 montado pelo Datafolha, Aécio Neves (PSDB) tem 35%, seguido de Luiz Inácio Lula da Silva (PT): 25%; Marina Silva (PSB): 18%; Eduardo Paes (PMDB): 2%; Luciana Genro (PSOL): 2% e Eduardo Jorge (PV), também com 2%. Brancos ou nenhum somam 11%. Não sabem, 5%.

No Cenário 2, sem Aécio, Luiz Inácio Lula da Silva (PT): 26%; Marina Silva (PSB): 25%, Geraldo Alckmin (PSDB): 20%; Eduardo Paes (PMDB): 3%; Luciana Genro (PSOL): 3%; Eduardo Jorge (PV): 2%. Branco/nenhum: 14% e não sabem 7%.

O Datafolha fez 2.840 entrevistas em 174 cidades na quarta-feira (17) e na quinta (18). A margem de erro do levantamento é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Datafolha divulga nova pesquisa sobre a avaliação do governo Dilma

O Datafolha divulgou uma nova pesquisa sobre a avaliação do governo da presidente Dilma Rousseff. Segundo o Instituto, o índice de reprovação do governo é o pior desde o início do primeiro mandato da presidente.

Na primeira pesquisa depois da reeleição, em dezembro, os que consideravam o governo Dilma ruim ou péssimo eram 24%. Em fevereiro, o índice subiu para 44%. Em março, subiu novamente, para 62%. Em abril, foi para 60%. E agora, em junho, a reprovação foi para 65%.

Os que consideravam o governo regular eram 33% em dezembro e em fevereiro. O índice caiu para 24%. Foi para 27% e agora, são 24%. Os que avaliavam o governo Dilma como ótimo ou bom eram 42%. O índice caiu para 23%. Caiu de novo, para 13%. Ficou em 13% e agora são 10%.

Segundo a "Folha", no histórico de pesquisas nacionais de avaliação presidencial do Datafolha, a atual taxa de reprovação da presidente da República (65%) só não é pior que os 68% de "ruim" e "péssimo" registrados pelo ex-presidente Fernando Collor de Mello em setembro de 1992, poucos dias antes de ele sofrer um processo de impeachment.  Na véspera de ser afastado da Presidência, em 1992, Collor tinha 9% de reprovação, conforme o Datafolha. Essa foi a pior taxa apurada em toda a série de pesquisas nacionais do instituto.

Considerando as regiões do país, os resultados da pesquisa foram:

- Sudeste:
-- Ótimo/bom: 7%
-- Regular: 23%
-- Ruim/péssimo: 69%
-- Não sabe: 0%

- Sul:
-- Ótimo/bom: 11%
-- Regular: 25%
-- Ruim/péssimo: 63%
-- Não sabe: 0%

- Nordeste:
-- Ótimo/bom: 14%
-- Regular: 27%
-- Ruim/péssimo: 58%
-- Não sabe: 1%

- Centro-Oeste:
-- Ótimo/bom: 9%
-- Regular: 21%
-- Ruim/péssimo: 70%
-- Não sabe: 1%

- Norte:
-- Ótimo/bom: 11%
-- Regular: 24%
-- Ruim/péssimo: 63%
-- Não sabe: 2%

Nenhum comentário: