segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

FPM: Primeiro repasse do ano teve redução de quase 13%

Com redução de quase 13%, o primeiro repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) deste ano entrou nas contas das Prefeituras na última sexta-feira, 8 de janeiro. O montante distribuído foi de R$ 2.072.013.144,34 ao considerar o porcentual destinado ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (Fundeb). Sem a retenção constitucional, em valores brutos, o valor chegou a R$ 2.590.016.430,43.

De acordo com a Confederação Nacional de Municípios (CNM), em comparação com o primeiro decêndio de janeiro de 2015, a transferência do Fundo teve redução expressiva em termos brutos e reais de 12,98%. Isso, porque, o primeiro FPM do ano passado somou quase R$ 3 bilhões. No entanto, segundo esclarecimentos dos economistas da entidade, ao considerar o valor nominal e ignorar as consequências da inflação no poder de compra, o repasse apresenta retração de 5,77%.

Além da análise sobre o repasse, a CNM chama a atenção dos gestores para mais um agravante. Os valores a serem distribuídos entre Municípios podem sofrer alterações nos próximos dias, e muito provavelmente alguns deles vão divergir da cifra indicada pela entidade. O fenômeno é consequência de decisões judiciais acatadas, sobre a mudança de faixa nos coeficientes de distribuição no Fundo por conta da contagem populacional, não divulgadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Assim, alguns Municípios ainda podem ter alteração no valor recebido, o que reflete na receita de todos os outros do Estado.
Ainda conforme levantamento da Confederação, os Municípios também receberam neste início de ano repasses extras do FPM. De acordo com cálculos da entidade, o valor a ser partilhado foi 79% menor do que o montante de 2015. Em janeiro do ano anterior, o extra foi de R$ 1.116.721.943,35 e este mês foi de apenas R$ 232.258.302,23 – aproximadamente 20% do valor repassado, nominalmente, de maneira extraordinária no início de 2015.


Esse extra ocorre separadamente, como esclarece o levantamento da Confederação, porque a Receita Federal (RFB) tem um programa que parcela as dívidas de vários impostos. Assim, quando a pessoa jurídica ou física efetua o pagamento da guia do Programa de Recuperação Fiscal (Refis), a Receita classifica por estimativa a quantia de cada imposto que foi recolhida, separando o que é Imposto de Renda (IR) e Imposto sobre produto Industrializado (IPI) e efetua os correspondentes repasses ao FPM.

Impacto - Se somados os valores do primeiro repasse e do extra deste mês, nominalmente, o Fundo atingiu o montante de R$ 2,822 bilhões neste primeiro decêndio de janeiro. Ano passado, na mesma época, o FPM já acumulava R$ 3,865 bilhões. O que, pelos dados da CNM, representa redução nominal de 26,99% e retração real expressiva de 32,57%. Ainda segundo a entidade, os primeiros repasses do ano refletem a baixa arrecadação e vendas fracas de fim de ano. Além disso, também demostram que o Fundo terá impacto maior do que espera a Secretaria do Tesouro Nacional (STN) – que estima redução de 17,2% em relação a 2015.

Veja o levantamento completo aqui 

Nenhum comentário: