quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Governo confirma fugas de pelo menos 56 presos durante rebeliões em Alcaçuz

A Secretaria de Estado da Justiça e da Cidadania (Sejuc) informou no final da tarde desta quarta-feira (25) que pelo menos 56 presos conseguiram fugir da Penitenciária Estadual de Alcaçuz desde a rebelião ocorrida no último dia 14, que ocasionou ainda na morte de 26 detentos. Desse total, quatro foram recapturados.

No entanto, o número pode ser ainda maior. Isso porque outros 20 presidiários não foram localizados durante a recontagem de presidiários realizada por equipes do Batalhão de Policiamento de Choque (BPChoque) e do Batalhão de Operações Especiais (Bope), além do Grupo de Operações Especiais (GOE) da própria Sejuc. O governo deverá confirmar se a ausência desses detentos ocorreu por meio de alvarás de soltura expedidos pela Justiça.

O secretário da Sejuc, Wallber Virgolino, justificou a demora para apresentar os números para a população. “Foram quebrados todos os pavilhões. Então aqueles apenados que eram divididos em pavilhões nos dois presídios passaram a habitar um único local, a dificuldade dos entulhos, a dificuldade da extensão de Alcaçuz provocou esse retardo no fornecimento de informações”, disse.

O governo manteve em 26 a quantidade de mortos durante o confronto entre as duas facções criminosas que disputam o controle da unidade prisional, anunciada anteriormente pelo Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep).

A guerra entre os grupos deixou ainda 10 apenados feridos, que foram socorridos e encaminhados para o Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel, onde permanecem internados.

Governador anuncia fechamento do presídio de Alcaçuz

Durante reunião do Gabinete de Gestão Integrada (GGI) na Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social, realizada na noite desta quarta-feira (25), o governador Robinson Faria destacou que o presídio estadual de Alcaçuz será desativado em breve.

O fim das operações na detenção ocorrerá tão logo as prisões de Ceará-Mirim, Afonso Bezerra e Mossoró estejam prontas, medidas que serão de médio/longo prazo. Juntas, as unidades prisionais terão capacidade para concentrar cerca de 2.200 apenados, número que reduz o déficit de vagas no regime.

Ainda na reunião foram tratados temas como a fixação do muro de contêineres marítimos que separa os pavilhões 1, 2, 3 das alas 4 e 5, realidade que impede um novo conflito entre facções e que garante a retomada do controle do presídio pelas forças de segurança. O muro dos contentores foi erguido em caráter emergencial uma vez que um muro feito concreto pré-moldado de 90 metros de extensão será erguido, com 6,40 metros de altura e 80 centímetros de largura. Além disso, será feita a concretagem do perímetro externo de Alcaçuz para evitar fugas.

A solução provisória da construção do muro de contêineres ocorreu após uma reunião de coordenação e de estudo tático e estratégico entre o comando da Polícia Militar e o DER. De acordo com o governador Robinson Faria, o muro tem um objetivo claro. “Tanto a estrutura de contêineres como o muro permanente têm o propósito de impedir o contato físico entre os integrantes de facções. A ideia por trás do muro é pacificar o presídio e evitar que tenhamos mais óbitos”, disse o chefe do Executivo Estadual, lembrando que não foram registradas mortes de policiais, agentes ou civis que tenham relação com a rebelião mesmo com a negativa do Estado em negociar com qualquer facção.

Outras medidas adotadas em Alcaçuz serão a construção de uma cerca perimetral situada a 50 metros do muro paras evitar que sejam projetados materiais ilícitos para dentro do presídio, bem como será instalada uma iluminação especial para a parte externa do presídio. Até o final da semana, deverá ser assinado um termo para contratação de 50 módulos habitáveis para alocar os detentos. Cada unidade terá capacidade para 20 vagas, totalizando 1000 vagas em caráter emergencial em virtude da destruição parcial da estrutura do presídio. Os números mais recentes de Alcaçuz são de 56 fugitivos, 4 recapturados, 26 mortos e 10 feridos.

Participaram da reunião no GGI desta quarta-feira auxiliares da administração direta do Governo da Segurança Pública, Sejuc, Gabinete Civil, Procuradoria Geral, assessoria de Comunicação, DER, Infraestrutura, Corpo de Bombeiros, Itep, Polícia Civil, e representantes da Assembleia Legislativa, da Ordem dos Advogados do Brasil, Ministério Público, Tribunal de Justiça, Defensoria Pública da União, Polícia Rodoviária Federal, Depen, Justiça Federal, Exército e Ministério Público Federal.

Nenhum comentário: